Terça-feira, 26 de Junho de 2007
Estranhos no Paraiso

(...) Os tambores de guerra soam cada vez mais alto! Enquanto se tenta a todo o custo evitar uma guerra, os exércitos espalham-se estrategicamente, apertam o cerco, provocam pretextos, deslocam materiais de destruição... dolentemente, indiferente ao que se passa, grandes torres vão chupando das entranhas da terra um líquido viscoso, negro... os repórteres, hipoteticamente no centro da acção, esperam a altura exacta de transmitir a notícia!... no lado de cá do televisor, sentado calmamente numa poltrona, charuto na mão cravejada de anéis, uma forma informe, afaga miniaturas dessas torres, esperando a altura para premir o botão...

 

E tu Homem, será que vais continuar a avançar, com um encolher de ombros, indiferente ao que se passa à tua volta?...! Abre os olhos, HOMEM, e vê! Vê essa sombra esguia, repelente, informe… Sentes um arrepio?! Estremeces?!!

Sim, HOMEM, essa massa informe és tu, a tua indiferença, um pouco de ti mesmo, és tu na tua essência, a tua parte integrante do TODO a que chamas HUMANIDADE.

 

Abre os olhos, Homem, e vê…LUZ! Aproveita esse instante... Olha à tua volta…sente, aspira, afaga…

 

 

“Trrr... estado crítico... tremores terra à escala mundial... trr... trrr ...grau 10... trrr ...destruídas ...trr… cidades do globo... trr... não temos contacto com... trr... trrr... biiiimmmm…” ...

 

Já não há televisão, nem sofá, nem fome, nem guerra, nem máquinas de morte, nem gritos de dor!...

 

 

Ano zero

 

Chove copiosamente! O ribombar dos trovões, seguidos dos ziguezagues luminosos dos relâmpagos, rasgam o céu toldado de nuvens... as trevas começam a dar lugar à luz!

...

Um Sol brilhante espreguiça-se no meio de farrapos escuros que se diluem no dia que nasce!... Um céu muito azul reflecte-se num mar verde onde, aqui e acolá, saltam peixes nas águas calmas. Círculos concêntricos ondulam em todas as direcções dardejando as cores do arco íris.

No ar paira uma brisa perfumada!... Mais adiante, onde as ondas morrem em finos novelos de espuma branca, dois seres aquecem-se ao Sol, ainda húmidos de um mergulho no mar.

 

Dois pares de olhos azuis fitam-se, num mundo de mil promessas, num mundo que começa de novo...

 

 

 

José Gomes

26 Junho 2007


sentimento: já sem esperanças nesta Terra.

publicado por zeca maneca às 22:49
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

sobre movimentum
movimentuns recentes

Estranhos no Paraiso

movimentuns arquivados
pesquise neste blog
 
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


RSS